Silêncio

Procuro o silêncio, a mais
bela das canções do grande mundo
Sem instrumentos, acaricia
O calmo ouvir das boas almas

Oh, falsidade burra a minha
Pois desconheço a nobre falta
E tenho medo do que ela é
Caindo nas profundezas de mim

Poderia algum ser da vida,
pergunto, mostrar o silêncio
Aos meus sentidos, cru, puro, morto
Sem rir de minha condenação vil?

Me limito ao pior limite
Cumpro a sentença sem escolha
Ano após ano vou tentando
Amar o que penso ser silêncio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s