O alcaide e o aflito

I.

Alcaide:
–“Um castelo de sombras tu olhas de baixo
As torres e a noite num encaixo
Nuvens a rodear tuas pedras
A escuridão quebra as regras
Das leis de luz e júbilo”

Aflito:
–“Oh! Vejo das trevas uma musa
Como um homem viu Medusa
Dançam mortas as serpentes do terror
E petrificam meu amor
Que me matou outrora”

Alcaide:
–“És tolo, refém do amor cruel
Tua vida e destino em carrossel
Roda eterna de dor e confusão
Queres liberdade disto, então?
Lágrimas noturnas te farão revolução”

Aflito:
–“Entro, portanto, de espírito aventureiro
Violado por dores sem cor e odor
Imagino-me curado no fim por inteiro
Neste hospital para servos do amor
E bato na grande porta de ferro”

II.

Alcaide:
–“Seja feita vossa entrada
E ouvirás agora um berro aflito
E num instante teu amor será nada
No timbre e na voz, mistério e mito
Vultos de rostos tristes te recebem”

Aflito:
–“Não mencionares berros do nada
Agora os escuto surpreso e alerta
Cerro punhos no hall de entrada
E tua porta não está mais aberta
A mente arranha”

Alcaide:
–“Fez-se de tu tua primeira lição
O controle é luxo do acaso e só
Planos e fatos, tão nossos, nada são
Tudo o que vês, do sólido ao pó,
São restos daqueles que por aqui passaram”

Aflito:
–“Mas e este fogo e esta lança
Que respiram violentos, arfantes
Tão bonitos como dança
Tão intensos como amantes?
Fale-me da lança e do fogo?”

Alcaide:
–“São parte do jogo, não penses que não
Ensinam mais que livros, se bem usados
Tua segunda lição te darão
Fechando buracos de pulmões perfurados
Que seja feito!”

Aflito:
–“A lança me fura! Por favor, uma atadura!
A coluna estica e dobra, o corpo desmorona
Chão imundo! Superfície fria e dura!
O pensamento embaralha e tudo é uma zona!
Dor maldita que me rouba o sangue!”

III.

Alcaide:
–“Anos se passaram de angústias expostas
Levaste chicotes, facadas, correntes
Subiste montanhas com pedras nas costas
Choraste baixo, um mero indigente
Sofreste.”

Aflito:
–“Sofri. Sofri, pois tu me atacaste
E quebraste as arestas de minha geometria
Andei por florestas em chamas sem hastes
E transei com a agonia da vida fria
Sofri.”

Alcaide:
–“A noite maltratou, pelas sombras foste educado
Agora a escuridão habita o teu lado
A mudança se fez em ti, cumpri o prometido
Devolvo-te um corpo morto e um espírito evoluído
Cresceste.”

Aflito:
–“Cresci. Mas do custo é que me pergunto
Talvez mais valesse voltar defunto
E minha estrada seguirei, sem medo do amor
Sem medo de amar, sem medo da dor
Cresci.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s